O PAD SEMPRE TEVE LADO: O DA DEFESA DA DEMOCRACIA

(English Below)

O Brasil passa por um dos momentos políticos mais tensos da sua história. O país está dividido, desde a divulgação dos resultados do primeiro turno das eleições presidenciais.  O candidato ultraconservador, Jair Bolsonaro chegou em primeiro lugar, com 46% dos votos, contra 29% de Fernando Haddad, em segundo.

Neste momento crítico da política brasileira é preciso ter lado. Não se trata de duas opções políticas, mas sim de uma posição  entre a democracia e o autoritarismo. A diferença dos candidatos e o que representam não são apenas projetos políticos diferentes. Jair Bolsonaro sempre teve discurso autoritário, já o Partido dos Trabalhadores, do qual Fernando Haddad é o candidato, nasceu e cresceu na democracia. Temos dois projetos políticos em disputa: o do candidato Jair Bolsonaro –   na direção da privatização e perda de direitos, e o Fernando Haddad, no campo democrático popular que defende a garantia dos direitos constitucionais e os espaços democráticos de participação popular como legado da história democrática do país.

Os resultados das eleições trouxeram um clima de medo nas ruas de muitas cidades brasileiras. O candidato Jair Bolsonaro tem um discurso político controverso, cheio de declarações machistas, racistas, homofóbicas e que violam os direitos humanos. Desde o último domingo, após a divulgação dos resultados das urnas, há relatos de dezenas de homossexuais agredidos por seus eleitores e o assassinato do capoeirista Moa do Catendê, em Salvador (BA), na madrugada da última segunda-feira (8). Moa levou 12 facadas de um eleitor de Bolsonaro, após numa discussão política, argumentar que o jovem eleitor precisava entender, que ele, “como negro tinha consciência do quanto o negro lutou para chegar onde chegou e o quanto Bolsonaro poderia tirar essas conquistas se chegasse ao poder”.

Vivemos um momento limítrofe e é preciso que toda sociedade escolha entre a civilização ou a barbárie no próximo dia 28 de outubro, data do segundo turno das eleições presidenciais.

 Em seu discurso no primeiro turno, Bolsonaro afirmou: “Vamos colocar um fim em todo ativismo no Brasil”. Vale lembrar que foram milhares de ativistas e militantes de organizações e movimentos sociais que lutaram pela redemocratização do Brasil nos últimos 30 anos e que muitos morreram para que pudéssemos ter direito ao voto direto. O candidato também ameaçou o meio ambiente, afirmando que impedirá que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais – IBAMA e o Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade -ICMBIO multem empreendimentos por violações ambientais. Em entrevistas anteriores também disse que a polícia teria “que atirar para matar” e que eleito revogará o estatuto do desarmamento.

O Pad, desde sua criação apoia a democracia, os direitos humanos e consolidação do Estado Democrático de Direitos. Neste momento triste da nossa história, convocamos todos e todas pela defesa do nosso bem maior: a democracia do nosso país.

Processo de Articulação e Diálogo Internacional – PAD

Outubro de 2018.

PAD HAS ALWAYS BEEN ON THE SIDE OF DEMOCRACY

Brazil is going through one of the tensest political moments of its history. The country has been divided since the results of the first round of presidential elections.  Ultraconservative Jair Bolsonaro led the race with 46 % of votes, against 29 % of votes for Fernando Haddad.

In this critical moment for Brazilian politics, choosing a side is imperative. This is not about two political options – it is about taking a stand for democracy and against authoritarianism. The differences between the two candidates transcend political projects. Jair Bolsonaro has always had an authoritarian speech, whereas the Workers’ Party of Fernando Haddad was created and developed democratically. There are two political projects in dispute: the one represented by Jair Bolsonaro – in favor of privatizations, losses of rights – and the one represented by Fernando Haddad, in the popular democracy field and in defense of constitutional rights and people’s participations as a legacy of the democratic history of the country.

The results of the elections have spread fear in the streets of many Brazilian cities. Jair Bolsonaro has a controversial speech, abundant in sexist, racist and homophobic comments that violate human rights. Since last Sunday, after the results of the elections were disclosed, there have been countless reports of homosexuals who were assaulted by Bolsonaro electors. In Salvador (BA), capoeira instructor Moa do Catendê was stabbed 12 times by a Bolsonaro elector after arguing that “as a black man, I am aware of how much black people have struggled to be where they are and how Bolsonaro is a menace to that”.

This is a crucial moment and the Brazilian society must choose between civilization or barbarism on October 28th, date of the second round of the presidential elections.

 Immediately after the first round of the elections, Bolsonaro declared: “We’ll put an end to all activism in Brazil”. It is noteworthy that activists and supporters of organizations and social movements who fought for the redemocratization of Brazil over the last 30 years and many died so that we had the right to vote. The candidate also poses a threat to the environment, as he affirmed that he would prevent the Brazilian Institute of the Environment and Renewable Natural Resources (IBAMA) and the Chico Mendes Institute for Biodiversity Conservation (ICMBio) from fining enterprises that commit environmental violations. He also declared in previous interviews that the police should “shoot to kill people” and that, if elected, he will cancel the Brazilian Statute of Disarmament.

Since its creation, Pad has supported democracy, human rights and the consolidation of a Democratic Rule of Law. Amid this sorrowful moment of our history, we urge all people to defend our greatest asset: the democracy in our country.

International Process of Articulation and Dialog – PAD

October 2018